Síndrome do Olho Seco

A Síndrome do Olho Seco é uma doença que ocorre quando o olho produz pouca ou nenhuma lágrima, podendo ser causada por diversos fatores, incluindo pelo envelhecimento natural do olho — principalmente em pessoas acima dos 50 anos.
Principais sintomas: ardência, olhos vermelhos, coceira, dor nos olhos, visão embaçada, sensibilidade à luz (fotofobia), sensação de areia nos olhos e até lacrimejamento.
A Síndrome do Olho Seco pode levar à cegueira? Sim, mas é possível evitá-la consultando-se com um oftalmologista para que ele realize o tratamento adequado.
Tem cura? Depende da causa. Geralmente, quando o olho seco é causado por fatores ambientais, por exemplo (ar condicionado, vento ou clima seco), ele pode ser solucionado.
O mais importante é entender que as causas podem ser várias, e só com a ajuda do oftalmologista, a causa pode ser identificada e tratada, e solucionada quando possível.
Tratamento: O tratamento da Síndrome do Olho Seco pode variar segundo a sua gravidade. Dentre as formas de tratamento, estão o uso de colírios, anti-inflamatórios e até o implante de um plug lacrimal, que irá servir para manter a quantidade suficiente de lágrimas no olho.

Afinal… o que é olho seco?

Olho seco é uma decorrência da falta crônica de lubrificação e umidade da superfície ocular. É necessária uma camada adequada e consistente de lágrima na superfície do olho. Assim, sue olho pode se manter saudável, confortável ​​e enxergando bem.

As lágrimas também removem a poeira, resíduos e microorganismos que podem danificar sua córnea e causar infecção.

Um filme lacrimal normal consiste em três componentes importantes:

Um componente oleoso (lipídeo) produzido pelas glândulas de meibomio das pálpebras

Componente aquoso (aquoso) produzido pelas glândulas lacrimais localizadas nas pálpebras superiores.

Componente semelhante a muco (mucina) produzido por células caliciformes na conjuntiva que cobre a parte branca do olho (esclera).

Cada componente do filme lacrimal serve a um propósito crítico. Por exemplo, os lipídios lacrimais ajudam a evitar que o filme lacrimal evapore muito rapidamente e aumentam a lubrificação. Mucin ajuda a ancorar e espalhar as lágrimas pela superfície do olho.

Piscar os olhos tem que ser natural, indolor!

Geralmente, os olhos secos podem ficar vermelhos e irritados, causando uma sensação de coceira.

Consequentemente, pode ocorrer desde irritação a um quadro de inflamação ocular significativa incluindo a presença de cicatrizes na superfície anterior do olho.

Além de ser chamada de síndrome do olho seco, doença do olho seco ou simplesmente “olho seco”, os termos médicos alternativos usados ​​para descrever o olho seco incluem:

Ceratite seca. Geralmente usado para descrever secura e inflamação da córnea.

Ceratoconjuntivite seca. Usado para descrever o olho seco que afeta a córnea e a conjuntiva.

Causas de olho seco

Existem muitos agentes potenciais para desenvolver olho seco. Você pode encontrar algum fator de risco que você esteja exposto nos itens abaixo:

Uso do computador – Ao trabalhar em um computador, smartphone ou outro dispositivo digital portátil, tendemos a piscar os olhos com menor frequência e intensidade. Isso leva a uma maior evaporação das lágrimas aumentando os sintomas de olho seco.

Lentes de contato – A relação entre lentes de contato e olho seco é delicada. Olhos secos são a principal razão pela qual as pessoas param de usar lentes de contato.

Envelhecimento – a síndrome do olho seco pode ocorrer em qualquer idade, mas se torna mais comum com a idade, especialmente após os 50 anos.

Menopausa – as mulheres na pós-menopausa correm maior risco do que os homens da mesma idade.

Ambiente interno – ar-condicionado, ventiladores de teto e sistemas de aquecimento de ar forçado podem diminuir a umidade interna. Isso pode acelerar a evaporação da lágrima, causando sintomas de olho seco.

Ambiente externo – climas secos, grandes altitudes e condições secas ou ventosas aumentam os riscos de olho seco.

Viagem aérea – O ar nas cabines dos aviões é extremamente seco e pode causar problemas de olho seco, especialmente entre os passageiros frequentes.

Tabagismo – além de olhos secos, o tabagismo tem sido associado a problemas oculares graves, incluindo degeneração macular, catarata e uveíte.

Comorbidades – certas doenças como diabetes, tireóidopatia, lúpus, artrite reumatóide e síndrome de Sjögren podem contribuir para problemas de olho seco.

Medicamentos – Muitos medicamentos prescritos e não prescritos para aumentar o risco de sintomas de olho seco, incluindo anti-histamínicos, antidepressivos, certos medicamentos para pressão arterial, como beta-bloqueadores ou diuréticos e pílulas anticoncepcionais.

Disfunção palpebral – O fechamento incompleto das pálpebras ao piscar ou dormir (denominado lagoftalmo) pode causar secura grave nos olhos. Isso pode levar a uma úlcera de córnea se não tratada. O lagoftalmo tem muitas causas, incluindo envelhecimento natural, infecções oculares e danos nos nervos por trauma ou blefaroplastia cosmética.

LASIK – LASIK e outras cirurgias refrativas da córnea às vezes podem causar olhos secos. Entretanto, o desconforto é temporário podendo desaparecer algumas semanas após o procedimento. Atenção, se você tem olhos secos antes do LASIK, seu oftalmologista pode recomendar um tratamento para olhos secos antes do procedimento para garantir os melhores resultados do LASIK.

Usar uma máscara – muitas máscaras, como as usadas para proteger contra a propagação do COVID-19, podem secar os olhos forçando o ar para fora da parte superior da máscara e sobre a superfície do olho. Usar óculos com máscara pode direcionar ainda mais o ar sobre os olhos.

Alergias – as alergias podem causar olhos secos. O uso de anti-histamínicos para aliviar as alergias também pode causar síndrome do olho seco.

 

E quanto aos sintomas de olho seco?

Os sintomas de olhos secos e síndrome do olho seco incluem:

Sensação de queimadura

Coceira ocular

Sensação de dor

Olhos cansados

Olhos doloridos

Sensação de secura

Olhos vermelhos

Fotofobia (sensibilidade à luz)

Visão embaçada

Sensação de que algo está em seu olho (sensação de corpo estranho)

Muco dentro ou ao redor dos olhos

Desconforto ao usar lentes de contato

E por mais estranho que possa parecer… olhos lacrimejantes também podem ser um sintoma da síndrome do olho seco. Isso ocorre porque a secura na superfície do olho às vezes pode levar à superprodução da parte aquosa das lágrimas como mecanismo de reflexo.

Além desses sintomas, os olhos secos podem causar inflamação e danos (muitas vezes permanentes) à superfície do olho.

A síndrome do olho seco também pode afetar os resultados da LASIK e da cirurgia de catarata.

Categorias de olho seco

Existem diferentes categorias de olhos secos, dependendo de qual componente é afetado.

Por exemplo, se as glândulas de Meibômio não produzem óleo suficiente, o filme lacrimal evapora mais rapidamente. Esta é uma condição chamada “olho seco evaporativo”. A condição subjacente, chamada de disfunção da glândula meibomiana, agora é conhecida por ser um fator em muitos casos de síndrome do olho seco.

Em outros casos, a principal causa do olho seco pode estar na falha das glândulas lacrimais em produzir líquido aquoso suficiente para manter os olhos adequadamente umedecidos. Essa condição é chamada de “olho seco por deficiência aquosa”.

O tipo específico de olho seco geralmente determinará o tipo de tratamento que seu oftalmologista recomenda para aliviar os sintomas de olho seco.

Tratamento e prevenção de olho seco

A síndrome do olho seco é uma doença crônica e tipicamente progressiva. Dependendo de sua causa e gravidade, pode não ser completamente curável.

Mas, na maioria dos casos, os olhos secos podem ser controlados com sucesso. O tratamento geralmente resulta em maior conforto, menos sintomas de olho seco e, às vezes, visão mais nítida.

A doença do olho seco pode ter várias causas e uma variedade de tratamentos são usados.

Existem questionários específicos para avaliação de seus sintomas antes de iniciar o tratamento para o olho seco. Suas respostas a esta pesquisa são então usadas como linha de base e o questionário pode ser administrado novamente após várias semanas de tratamento para avaliar a eficácia do tratamento.

E quanto a diversidade de tratamento???

Colírio de lágrimas artificiais
Para casos leves de olhos secos o tratamento para olhos secos pode ser simplesmente o uso frequente de lágrimas artificiais ou outros colírios lubrificantes.

As lágrimas artificiais geralmente são o primeiro passo no tratamento do olho seco.

Existem muitas marcas de lágrimas artificiais disponíveis. O desafio de usar lágrimas artificiais não é a falta de disponibilidade do produto – é o número confuso de marcas e formulações disponíveis para você escolher.

Além disso, os ingredientes de certas marcas de lágrimas artificiais podem determinar para qual tipo de olho seco são mais adequadas. Por exemplo, uma marca pode funcionar melhor se você não produzir lágrimas naturais suficientes (olho seco por deficiência de água), enquanto outra marca pode ser mais eficaz se suas lágrimas naturais evaporarem muito rapidamente (olho seco por evaporação).

Se o seu oftalmologista recomendar que você use uma ou mais marcas ou formulações de lágrimas artificiais, siga as instruções que ele lhe der sobre quando e com que frequência as usa.

2. Tacrolimus

Em vez de lágrimas artificiais de venda livre (ou associado), o uso diário de outro colírio prescrito, chamado de tacrolimus, pode ser útil para o tratamento de olho seco. Seu reduz a inflamação associada à síndrome do olho seco e ajuda o corpo a produzir mais lágrimas naturais para manter os olhos úmidos, confortáveis ​​e saudáveis.

Porém, seu efeito terapêutico não é imediato. Você deve usar o colírio diariamente por um mínimo de 90 dias para experimentar todos os benefícios deste tratamento para o olho seco.

Entre seus efeitos adversos mais presentes serão o ardor nos olhos durante as primeiras semanas de tratamento.

3. Colírio de esteróide

As lágrimas artificiais geralmente não tratam adequadamente as alterações inflamatórias, e seu médico pode recomendar colírios de esteróides para controlar melhor a inflamação subjacente associada aos olhos secos.

Os colírios de esteróides geralmente são usados ​​em curto prazo para controlar rapidamente os sintomas. Eles são frequentemente usados ​​em conjunto com lágrimas artificiais e tacrolimus como um complemento para essas estratégias de tratamento de olho seco de mais longo prazo.

O uso contínuo pode trazer grandes riscos. Portanto, é importante informar ao seu oftalmologista todo o seu histórico médico antes de iniciar o colírio com esteróides.

O uso de colírios de esteróides pode aumentam os riscos (desenvolver hipertensão ocular ou até catarata se usados ​​por longos períodos de tempo). Mas esses riscos são baixos quando os colírios são usados ​​apenas em curto prazo para o tratamento do olho seco.

4. Expressão da glândula meibomiana

Uma porcentagem muito significativa de casos de olho seco é causada por um tipo de óleo secretado pelas glândulas meibomianas localizadas ao longo da margem palpebral.

A abertura dessas glândulas esta perto da base dos cílios. Quando as aberturas ficam entupidas, o óleo essencial para evitar que o filme lacrimal evapore muito rapidamente não conseguirá cumprir sua função. Isso é chamado de disfunção da glândula meibomiana (MGD), que é uma causa significativa dos sintomas de olho seco por evaporação.

Para o tratamento desta disfunção e o olho seco por evaporação, seu oftalmologista pode realizar um procedimento no consultório denominado expressão da glândula meibomiana. Neste procedimento, compressas quentes podem ou não ser aplicadas primeiro nas pálpebras; em seguida, um dispositivo do tipo pinça é usado para espremer o conteúdo obstruído.

Na realidade, a expressão do conteúdo das glândulas pode gerar uma pressão aplicada às pálpebras, o que pode ser desconfortável. Mas os resultados geralmente fazem qualquer desconforto de curto prazo com o procedimento valer a pena.

5. LipFlow

O LipiFlow Thermal Pulsation System é um tratamento automatizado para olhos secos em consultório que combina os melhores recursos da terapia de compressão quente e expressão da glândula meibomiana.

O dispositivo patenteado se ajusta sobre as pálpebras e aplica calor precisamente controlado às pálpebras para suavizar o conteúdo endurecido preso nas glândulas meibomianas. Ao mesmo tempo, o sistema LipiFlow aplica pressão pulsada nas pálpebras para abrir e expressar as glândulas obstruídas, restaurando assim o equilíbrio correto de óleos no filme lacrimal para aliviar a síndrome do olho seco.

O tratamento com Lipiflow leva aproximadamente 12 minutos por olho. Em um estudo clínico sobre a eficácia do procedimento, 76% dos pacientes relataram melhora dos sintomas de olho seco em duas semanas de tratamento. A qualidade e a quantidade das secreções da glândula meibomiana e a duração do tempo que seu filme lacrimal permaneceu no olho antes de evaporar.

Em alguns casos, entretanto, pode levar alguns meses para que as melhorias do procedimento LipiFlow se tornem aparentes.

Normalmente, os efeitos benéficos do procedimento LipiFlow duram de um a três anos ou mais.

Os efeitos colaterais potenciais do tratamento para o olho seco com LipiFlow incluem abrasão da córnea, dor nos olhos, pálpebras inchadas, irritação ou inflamação das pálpebras, calázios, visão turva transitória, coceira e olhos vermelhos.

6. Luz intensa pulsada
A luz intensa pulsada (IPL) é usada há muito tempo para tratar a rosácea na pele. Rosácea na pele e na pálpebra freqüentemente ocorrem juntas.

A rosácea ocular é caracterizada por vasos sanguíneos dilatados ao longo da margem dos cílios em pacientes que sofrem de blefarite que contribuiem para os sintomas de olho seco.

No IPL, o dispositivo portátil emite luz brilhante na pele. A luz é filtrada para permitir apenas os comprimentos de onda que podem ser absorvidos pelos vasos sanguíneos dilatados. O efeito deste tratamento busca a resolução dos vasos dilatados e inflamação associada que contribui para os sintomas de olho seco.

Muitos pacientes sentem alívio dos sintomas de olho seco após a LPI e tornam-se menos dependentes de lágrimas artificiais e outras medidas de rotina para manter os olhos confortáveis. Por esse motivo, o tratamento IPL pode ser adequado para pacientes com olho seco que não querem se incomodar com a inconveniência do uso frequente de colírios.

Os pacientes geralmente requerem quatro a seis tratamentos mensais de IPL para efeitos ideais. Normalmente, os tratamentos são bem tolerados e não estão associados a nenhum tempo de inatividade. No entanto, é importante discutir com seu médico quanto tempo você passa ao sol, os tratamentos tornarão suas pálpebras mais sensíveis à luz.